Notícias e Pesquisas

14 Out 2016

Quase metade das crianças paulistanas estão acima do peso

Estudo realizado pela Nestlé em parceria com o IBOPE Inteligência mostra que 44% das crianças paulistanas estão acima do peso e 45% daquelas que têm de 10 a 12 anos são sedentárias. Esses e outros dados fazem parte da pesquisa The Infant and Kids Study (IKS), realizada na região metropolitana de São Paulo, com 1.000 crianças com idade entre 0 e 12 anos, de todas as classes sociais.

Os resultados confirmam a tendência apontada em dados oficiais. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade e o sobrepeso infantil deverão atingir aproximadamente 75 milhões de crianças no mundo inteiro até 2025, caso nada seja feito hoje para reverter este cenário. Segundo a Associação Brasileira para Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, a incidência de sobrepeso em crianças de 5 a 10 anos é de 40% na Região Sudeste (ABESO, com base na POF 2011).

“O consumo excessivo de gordura, sódio ou açúcar na dieta diária de crianças e adolescentes pode inferir em um aumento de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas, como o diabetes tipo 2, hipertensão arterial e aumento dos níveis de colesterol ruim (LDL), por exemplo. Para que tenhamos uma mudança no comportamento dessas crianças, no entanto, além da prática de atividade física regular e uma alimentação equilibrada, é preciso envolver outros aspectos mais amplos, que passem pelas frentes econômicas, sociais e políticas”, afirma o pediatra e endocrinologista da USP, Dr. Raphael Liberatore.

Sedentarismo 
Dados da pesquisa IKS apontam a falta de atividade física no cotidiano: mais da metade das crianças entre 1 e 12 anos está sedentária, ou seja, praticam menos de 300 minutos (5 horas) de atividade física por semana. O problema é maior entre meninas, atingindo 56% deste universo. Na faixa etária entre 10 e 12 anos, o sedentarismo atinge 45% das crianças.

De acordo com a OMS, a recomendação de tempo de atividade física praticada na infância deve ser em torno de 300 minutos por semana, o que significa pouco mais de 40 minutos todos os dias.

“O comportamento infantil é um reflexo do que as crianças observam em casa com os pais, que dedicam cada vez mais tempo à televisão, celular e computador. Não podemos responsabilizar apenas a tecnologia, mas devemos ter atenção, uma vez que ela pode influenciar no desenvolvimento físico, social e comportamental de crianças e adolescentes”, afirma a psicóloga e pedagoga Elizabeth Monteiro.

Para outras informações, assista: https://youtu.be/nrfodstrVkk