Notícias e Pesquisas

29 Mai 2018

João Doria lidera com pequena vantagem a disputa ao governo em São Paulo

A segunda pesquisa IBOPE Inteligência/ TV Band, realizada de 24 a 27 de maio no estado de São Paulo, aponta João Doria, do PSDB, à frente na disputa com 22% das intenções de voto. O emedebista Paulo Skaf está na segunda colocação com 15% das menções. Em outro patamar, Luiz Marinho (PT) e Márcio França (PSB) são mencionados por 4% e 3% dos eleitores, respectivamente; Rodrigo Tavares (PRTB) e  Professora Lisete Arelaro (PSOL) têm 2% das citações cada um; Rogerio Chequer (Novo) aparece com 1% das intenções de voto, enquanto Alexandre Zeitune (REDE) é mencionado, mas não atinge 1% de menções. Neste momento, os eleitores paulistas que intentam votar em branco ou nulo somam 40% e outros 10% não sabem ou não respondem.

Lembrando que as candidaturas não estão oficialmente definidas e, portanto, os cenários testados consideram prováveis nomes para a disputa. Além disso, não é possível comparar os resultados com os do levantamento anterior, uma vez que foi incluído um novo pré-candidato.

Destaques por segmentos
- As intenções de voto em João Doria aumentam conforme a escolaridade e a renda familiar dos eleitores, indo de 13% entre os menos escolarizados até 29% entre os que possuem ensino superior e de 13% entre aqueles cuja renda familiar é de até 1 salário mínimo até 36% entre os que têm renda familiar acima de 5 salários mínimos. É nesse segmento de renda mais elevada que suas intenções de voto são mais expressivas. Destaca-se também entre os homens com 27% das citações, contra 17% entre as mulheres.

- Já as intenções de voto em Skaf são mais frequentes entre os eleitores com idade de 45 a 54 anos (20%) e entre os moradores da capital paulista (19%). 

- Os demais candidatos apresentam intenções de voto distribuídas de maneira homogênea nos segmentos analisados.

 Senador
O IBOPE Inteligência testou também um possível cenário político para a disputa pelas duas vagas ao Senado, uma vez que neste momento não há nomes formalmente oficializados para o cargo. Além disso, não é possível comparar os resultados com os do levantamento anterior, já que houve alterações nos nomes testados. Eduardo Suplicy (PT) aparece numericamente à frente, com 30% das intenções de voto, seguido de perto pelo candidato José Luiz Datena, do DEM, com 26% das menções. A pré-candidata pelo MDB, Marta, aparece com 18% das menções, seguida pelos possíveis candidatos Mario Covas Neto (PODEMOS) com 12% e Major Olímpio (PSL) com 10% das intenções de voto. Os demais précandidatos (José Anibal e Ricardo Tripoli do PSDB , Educador Daniel Cara do PSOL, Jair Andreoni do PRTB, Jilmar Tatto do PT, Silvia Ferraro do PSOL e Christian Lohbauer do NOVO) têm até 6% das menções, cada um. Aqueles que declaram intenção de votar em branco ou anular o voto totalizam 52%. Eleitores indecisos somam 14% e 17% citam apenas um candidato.

Presidente
A pesquisa testou também três simulações de intenção de voto para presidente no estado de São Paulo. A primeira delas considera o ex-presidente Lula como candidato pelo PT. Já na segunda simulação Lula é substituído pelo ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad e pelo ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, no terceiro e último cenário investigado. Ainda, não é possível comparar os resultados com os do levantamento anterior, pois houve alterações nos nomes testados.

Avaliação da administração estadual
A administração do governador Márcio França é avaliada negativamente (ruim ou péssima) por quase dois quintos dos eleitores (38%), enquanto 35% a avaliam de maneira regular e 9% dos paulistas a avaliam positivamente (ótima ou boa). São 18% os que não sabem ou não querem opinar.

A maioria dos eleitores entrevistados (58%) desaprova a forma como Márcio França vem administrando o estado de São Paulo, contra 19% que a aprovam. Aqueles que não sabem ou preferem não responder totalizam 23%. 

Os paulistas que declaram não confiar no governador Márcio França somam 72%, enquanto 16% confiam. Os eleitores que preferem não opinar somam 12%.

Principais problemas do estado 
Saúde continua sendo a área mais problemática, sendo citada pela maioria dos eleitores (57%), apresentando então um recuo de 9 pontos percentuais com relação à medição anterior. Na sequência, aparece a área de segurança pública, com 38% (5 pontos percentuais a mais que na segunda pesquisa). Educação e corrupção são mencionadas por 34% dos entrevistados, cada uma (tinham 40% e 27% de citações, respectivamente). Lembrando que estes percentuais correspondem à soma das três áreas que poderiam mencionar.

Avaliação da administração federal
O percentual de eleitores paulistas que avaliam a administração do Michel Temer de maneira negativa (ruim ou péssima) vai de 68% para 81% nesta rodada. Já aqueles que consideram a atual administração regular são 14% (eram 23%); enquanto os que a avaliam positivamente (ótima ou boa) oscilam de 6% para 4%.

A grande maioria dos paulistas (91%) continuam desaprovando a forma como Michel Temer está governando o Brasil (7 pontos percentuais a mais que no levantamento anterior) e 7% a aprovam (eram 12%). Aqueles que não sabem ou preferem não opinar somam 2%.

DADOS DA PESQUISA

Nome da pesquisa

INTENÇÃO DE VOTOS EM SÃO PAULO

Margem de erro

3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Tema

Administração pública

Eleições

Opinião pública

Contratante

Pesquisa contratada por COMPANHIA RIO BONITO COMUNICAÇÕES

Período

24/05/2018 a 27/05/2018

Local

Brasil - SP

Amostra

Foram entrevistados 1008 votantes. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

Registro TRE/TSE

Registrada no Tribunal Regional Eleitoral sob o protocolo Nº SP?04608/2018 e no Tribunal Superior El

ARQUIVO(S) PARA DOWNLOAD
Pesquisa completa