Notícias e Pesquisas

28 Jun 2018

Jair Bolsonaro fica numericamente à frente, mas tecnicamente empatado com Marina Silva, na ausência de Lula na disputa pela Presidência da República; o petista permanece na liderança quando o seu nome é testado

O IBOPE Inteligência realizou, entre os dias 21 e 24 de junho, a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI), uma pesquisa junto aos eleitores brasileiros sobre as eleições presidenciais que ocorrerão em outubro deste ano. Neste momento em que as candidaturas não estão oficialmente definidas, os cenários testados consideram os prováveis nomes para a disputa, além dos informados pelos partidos. Dessa forma, foram testadas duas simulações.

Na pergunta estimulada, ou seja, com apresentação dos nomes dos prováveis candidatos, sem a presença de Lula, Jair Bolsonaro e Marina Silva aparecem tecnicamente empatados no limite da margem de erro da pesquisa, com 17% e 13% das intenções de voto, respectivamente. Em seguida, também tecnicamente empatados, surgem Ciro Gomes (8%), Geraldo Alckmin (6%). Alvaro Dias é apontado por 3% do eleitorado, enquanto Fernando Haddad e Fernando Collor de Mello têm 2% das intenções de voto, cada um. Com 1% de menções cada, estão: Manuela D´Ávila, João Amôedo, Rodrigo Maia, Henrique Meirelles, João Goulart Filho, Flávio Rocha, Guilherme Boulos, Levy Fidelix. E os candidatos Valéria Monteiro, Aldo Rebelo, Paulo Rabello de Castro e Guilherme Afif Domingos não atingem 1% das intenções de voto cada um, nesta pergunta. O percentual dos que declaram a intenção de votar em branco ou anular o voto é de 33%, enquanto 8% declaram-se indecisos.

Pergunta: Se a eleição para Presidente da República fosse hoje e os candidatos fossem estes, em quem o(a) sr(a) votaria? (%)

No cenário com Lula, pelo PT, o ex-presidente aparece distante dos demais possíveis candidatos ao pleito com 33% das intenções de voto. Em outro patamar, Jair Bolsonaro (PSL) tem 15% das menções. Já Marina Silva (REDE), Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) estão em patamar semelhante, com 7%, 4% e 4%, respectivamente e, portanto, empatados tecnicamente – considerando a margem de erro da pesquisa, que é de 2 pontos percentuais. Alvaro Dias (PODEMOS) recebe 2% das intenções de voto, enquanto Fernando Collor de Mello (PTC), João Goulart Filho (PPL), João Amôedo (NOVO), Levy Fidelix (PRTB), Manuela D’Ávila (PCdoB) e Flávio Rocha (PRB) aparecem com 1% de menções, cada um. No disco apresentado aos entrevistados também constavam os nomes: Aldo Rebelo (SD), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB), Guilherme Afif Domingos (PSD), Paulo Rabello de Castro (PSC), Rodrigo Maia (DEM) e Valéria Monteiro (PMN), porém, esses não alcançam 1% e juntos somam 2% das menções. Os eleitores brasileiros que intentam votar em branco ou anular o voto somam 22% e 6% não sabem ou não respondem à questão.

Pergunta: Se a eleição para Presidente da República fosse hoje e os candidatos fossem estes, em quem o(a) sr(a) votaria? (%)

DESTAQUES POR SEGMENTOS

As menções ao ex-Presidente Lula são mais expressivas na região Nordeste, além disso, se destaca em municípios com até 50 mil habitantes e no interior. Suas citações aumentam conforme diminui a escolaridade e a renda familiar do eleitor.

As intenções de voto em Jair Bolsonaro são mais significativas entre os homens e aqueles com até 34 anos. Ao contrário das menções a Lula, o candidato pelo PSL é mais citado conforme aumenta a escolaridade e a renda familiar dos eleitores.

As intenções de voto em Marina Silva são mais elevadas na região Norte/Centro-Oeste. No cenário 2 (sem Lula), ela ultrapassa Jair Bolsonaro entre as mulheres, no Nordeste, entre os entrevistados com renda familiar de até um salário mínimo e aqueles com ensino fundamental.

Ciro Gomes e Alvaro Dias apresentam destaque entre os eleitores com 55 anos ou mais.

Geraldo Alckmin é mais forte na região Sudeste, Álvaro Dias na região Sul e Ciro Gomes na região Nordeste, onde empata tecnicamente com Marina pelo primeiro lugar. 

Os demais candidatos apresentam intenções de voto distribuídas de maneira homogênea nos segmentos analisados.

Intenção de voto espontânea. O IBOPE Inteligência também perguntou em quem os entrevistados votariam para Presidente da República sem a apresentação dos nomes dos possíveis candidatos. Neste momento, os votos declarados como branco ou nulo chegam a quase 1/3 das menções (31%) e os indecisos somam 28%. Entre os possíveis candidatos ao pleito, o ex-Presidente Lula é mencionado por 21% dos eleitores e Jair Bolsonaro é lembrado por 11% da amostra. Ciro Gomes tem 2% das intenções de voto, enquanto Alvaro Dias, Geraldo Alckmin e João Amôedo são citados por 1% dos eleitores, cada um. Os demais nomes mencionados não atingem 1%.

Rejeição. Aproximadamente um terço dos entrevistados declara que não votaria de jeito nenhum em Fernando Collor de Mello (32%), ou em Jair Bolsonaro (32%) ou ainda em Lula (31%). Geraldo Alckmin é citado por 22%, Ciro Gomes e Marina Silva por 18% dos entrevistados, cada um.  Cerca de um em cada dez brasileiros declara que não votaria de jeito nenhum em Rodrigo Maia (13%), em Fernando Haddad (12%), em Henrique Meirelles (11%) ou em Levy Fidelix (10%). Já Alvaro Dias, Manuela D’Ávila, Aldo Rebelo, João Goulart Filho, Flávio Rocha e Guilherme Boulos são citados por 9% do eleitorado, cada. João Amôedo, Valéria Monteiro, Paulo Rabello de Castro e Guilherme Afif Domingos, são mencionados por 8%, cada um. Eleitores que declaram, de maneira espontânea, que poderiam votar em qualquer um dos possíveis candidatos são 2% e os que preferem não opinar são 11%. Nesta pergunta, o entrevistado poderia citar mais de um nome e, portanto, os resultados somam mais de 100%.

OUTRAS INFORMAÇÕES DA PESQUISA

Avaliação da administração federal. O percentual de eleitores brasileiros que avaliam o governo de Michel Temer de maneira negativa (ruim ou péssima) é 79%. Já aqueles que consideram a atual administração regular são 16%, enquanto os que a avaliam positivamente (ótima ou boa) são 4%. A forma como Michel Temer está governando o país é desaprovada por 90%, contra 7% que a aprovam. Aqueles que não sabem ou preferem não opinar somam 3%.

Totalizam 92% os que declaram não confiar no Presidente Michel Temer, enquanto 6% confiam e 2% não sabem ou preferem não opinar.

O levantamento também investigou a opinião dos eleitores em relação ao restante do governo de Michel Temer e são 74% os que acreditam que será ruim ou péssimo, enquanto 19% alegam que será regular e 5% afirmam que será ótimo ou bom. Nessa pergunta, 3% não sabem ou se abstém de responder. Quando comparado ao governo da ex-presidente Dilma Rousseff, os que indicam que a gestão do atual Presidente está sendo pior são 63%, ao passo que 26% asseguram que está igual à de sua antecessora, 9% declaram que o governo de Michel Temer é melhor do que o de Dilma e 2% não sabem ou preferem não responder.

DADOS DA PESQUISA

Nome da pesquisa

Avaliação do governo e intenção de voto

Margem de erro

A margem de erro estimada é de 2 (dois) pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Tema

Administração pública

CNI

Eleições

Opinião pública

Contratante

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI)

Período

21/06/2018 a 24/06/2018

Local

Brasil

Amostra

Foram entrevistados 2.000 eleitores. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral.

Registro TRE/TSE

Registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo Nº BR-02265/2018.

ARQUIVO(S) PARA DOWNLOAD
Avaliação do governo federal - Apresentação
Intenção de voto - Apresentação
Intenção de voto – Pesquisa Completa
Avaliação do governo federal – Pesquisa Completa
Histórico de avaliação de presidentes