Notícias e Pesquisas

08 Out 2015

Desemprego e abastecimento de água ganham destaque como problemas dos moradores de SP

Nos últimos dois anos, duas áreas registram aumento na avaliação de áreas problemáticas: desemprego e abastecimento de água.
Educação, segurança pública e saúde são os principais pontos de atenção quando o assunto é a qualidade de vida do paulistano. No entanto, a preocupação com o desemprego e o abastecimento de água também cresce consideravelmente nos últimos anos. É o que aponta pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência em parceria com a Rede Nossa São Paulo e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), sobre mobilidade urbana.
 
O estudo analisou 18 áreas da cidade de São Paulo que impactam diretamente na vida dos paulistanos. Os setores de saúde (55%) e segurança pública (37%) permanecem no topo do ranking, mesmo apresentando queda de porcentual na comparação com o ano passado. Em 2014, apontaram 72% e 49%, respectivamente. 
 
Por outro lado, nos últimos dois anos, duas áreas registram aumento na avaliação de áreas problemáticas. Desemprego passa de 10% em 2014 para 33% em 2015, e abastecimento de água alcança 21% ante 12% em 2014. Já os setores de trânsito e transporte coletivo caem de posição entre um ano e outro, sendo, respectivamente, o 5º e o 6º maiores pontos de preocupação do cidadão paulistano em 2015.
 
Também são mencionados educação (33%); poluição (17%); habitação (10%); rede de esgoto (7%); limpeza pública (7%); calçamento de ruas e avenidas (6%); menor de rua (5%); acessibilidade para deficientes (3%); meio ambiente (3%); opções de lazer (3%); iluminação pública (2%); praças, jardins e parques (2%).

Com relação ao nível de satisfação com aspectos, áreas e serviços de locomoção na cidade de São Paulo, foram analisados 12 itens. Em uma escala de 1 (totalmente insatisfeito) a 10 (totalmente satisfeito), 5,5 é o ponto médio da pesquisa. De acordo com a análise, todos os itens têm nível de satisfação abaixo da média. Destaque para quantidade de faixa de pedestres e localização dessas faixas, que aumentam, na comparação com o ano passado, registrando 5,3 e 5,2, respectivamente. Já dois quesitos caem na avaliação dos paulistanos: Situação do trânsito na cidade (2,9) e cordialidade e respeito ao motorista (3,7).

Também foram analisados: sinalização para pedestres (4,7); tempo de travessias para pedestres (4,7); transporte público de uma maneira geral (4,5); atuação das autoridades para evitar acidentes de trânsito (4,1); aplicação das leis de trânsito pelas autoridades responsáveis (4,0); respeito das leis de trânsito por motoristas e pedestres (3,7) e controle da poluição do ar (3,1).