Notícias e Pesquisas

20 Fev 2017

Crise está entre o meio e o fim, indicam brasileiros

A percepção da população brasileira é de que o país está entre o meio e o fim da crise. É o que indica 55% da população, de acordo com uma pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência. Entretanto, ainda há 41% que acreditam que é só o começo da crise.

                                         Você acha que a crise econômica atual está no início, meio ou fim?

                                 

A pesquisa mostra também que o brasileiro está otimista com 2017: quase metade da população (45%) considera que este ano será melhor do que 2016.

                                  Em sua opinião, este ano de 2017 será melhor, pior ou igual ao ano de 2016?

                                  

Mas apesar do otimismo, a população está insatisfeita com a economia do país. Em janeiro, 60% dos brasileiros não estavam nada satisfeitos com o funcionamento da economia no país, percentual levemente acima dos 56% verificados em julho de 2015. 

De uma maneira geral, você diria que está muito satisfeito, pouco satisfeito ou nada satisfeito com o funcionamento da economia no Brasil?

                             

“A pesquisa mostra que em um ano no qual as pessoas estão muito indignadas e desconfortáveis com tantas notícias sobre corrupção, parece haver uma necessidade de resgatar valores primários como honestidade e sinceridade. Em ano de falência das instituições, a solidariedade também se tornou necessária e valorizada”, diz Marcia Akinaga, diretora de quali+inovação do IBOPE Inteligência.

O otimismo com 2017 não foi suficiente para salvar as últimas compras de 2016. Azar do Natal. De acordo com a pesquisa, apenas 33% da população comprou presentes nesta data, a mais importante para o varejo brasileiro. Entre os consumidores das classes A e B, só metade comprou algum presente.

          

O estudo revela ainda que mesmo quem gastou com presentes, comprou um número menor no último Natal, com redução de consumo principalmente nas classes mais baixas.

                     

“Para aqueles que presentearam alguém, foi um momento de mudanças. Novamente, foi o Natal da lembrancinha”, diz Márcia Sola, diretora da unidade de shopping, varejo e imobiliário do IBOPE Inteligência. “Os presentes foram mais funcionais e utilitários, como toalhas de mesa e banho, sapatos, sandálias, e houve bastante pesquisa de preço”, conclui.

O brasileiro tentou se adaptar à crise neste Natal e buscou outras opções para não se endividar mais. Parcelar a compra foi a estratégia utilizada por alguns. Porém, quem parcelou, comprometeu seu orçamento até maio de 2017.

                      

De acordo com os resultados da comunidade online realizada em parceria envolvendo o IBOPE Inteligência, CONECTA e FocusVision, a decoração de Natal nos espaços públicos também refletiu a crise, com decorações escassas ou até canceladas. Inclusive nos shoppings, a percepção do brasileiro foi a de que a decoração ficou mais simples e inferior aos anos anteriores. “Muitos shoppings fizeram as mesmas ações promocionais de sempre. Mais do mesmo. Perderam uma boa oportunidade de se diferenciarem e gerarem mais mobilização”, diz Márcia Sola, diretora da unidade de shopping, varejo e imobiliário do IBOPE Inteligência.

O mesmo aconteceu com as marcas, que focaram na tradição natalina e não se diferenciaram, perdendo oportunidades. “As marcas perderam a chance de se associarem aos shoppings para fazerem ações promocionais. Era uma boa oportunidade de parceria em um local onde ainda é possível resgatar o clima natalino, tão ausente nos espaços públicos, ou então de oferecerem experiências natalinas em um momento no qual o consumidor estava com dificuldade de se conectar ao Natal”, conclui Márcia Sola.


Sobre a pesquisa
IBOPE Inteligência, CONECTA e FocusVision desenvolveram um estudo sobre o Natal por meio de uma comunidade online, o iCommunity, uma das ferramentas do Conexão Criativa, programa do IBOPE Inteligência para detectar e amplificar sinais de inovação. O objetivo é compreender como o consumidor se relacionou com o Natal em um contexto de crise e como o varejo e as marcas se comportaram neste período, e se souberam aproveitar as oportunidades em um cenário de crise.

Foi criada uma comunidade online, utilizando a plataforma Revelation, da FocusVision, que permitia que os participantes interagissem, debatessem, publicassem fotos e vídeos ou gerassem ideias sobre um assunto específico, neste caso o Natal 2016. A plataforma online podia ser acessada de um computador, notebook, tablet ou smartphone e reunia atividades, inspirando o envolvimento por meio de um layout visualmente simples. Os participantes foram estimulados a inserirem textos, fotos e vídeos de acordo com que o moderador solicitava. A comunidade ficou ativa de novembro de 2016 a janeiro de 2017.

Para complementar o estudo, foram realizadas 2.002 entrevistas pessoais e domiciliares no  BUS, pesquisa do IBOPE Inteligência representativa da população brasileira realizada todos os meses, com amostra com representatividade nacional: homens e mulheres de 16 anos ou mais, das classes A,B, C, D e E, do  Nordeste, Sudeste, Sul e Norte + Centro-Oeste.

COMENTÁRIOS