Notícias e Pesquisas

29 Jul 2019

51% dos brasileiros não sabem ao certo quanto gastam com tarifas bancárias

Pesquisa do IBOPE Inteligência mostra que a maior parte das pessoas da classe ABC com acesso à internet recebe dos bancos informações insuficientes

Mais da metade dos brasileiros com acesso à internet não sabe ao certo quanto gasta com tarifas e taxas bancárias. Segundo estudo do IBOPE Inteligência encomendado pelo C6 Bank, 51% dos entrevistados desconhecem o valor exato que pagam aos bancos ou apenas têm ideia de quanto despendem com esses serviços. O instituto ouviu 1.613 brasileiros das classes ABC conectados à internet, com 16 anos ou mais e que possuem conta-corrente, conta pagamento ou conta de investimento.

A pesquisa também mostra que faltam informações claras aos clientes de bancos. De acordo com o levantamento, 37% dos entrevistados afirmam receber dos bancos todas as informações necessárias, de forma clara. Por outro lado, 40% das pessoas ouvidas pelo IBOPE Inteligência dizem que recebem todas as informações necessárias, mas nem sempre de forma clara, 13% acham que recebem informações incompletas e 10% relatam que não recebem as informações necessárias das instituições em que têm conta. 

Boa parte dos entrevistados, entretanto, sabem responder se os serviços bancários que utilizam são pagos ou gratuitos  — 57%, por exemplo, afirmam que TEDs (Transferência Eletrônica Disponível) para outras instituições financeiras são cobradas nos bancos em que têm conta. O desconhecimento sobre o serviço ser ou não pago é relevante, entretanto, em relação a modalidades como DOCs (Documento de Ordem de Crédito) e envio de alertas por SMS. Nessas modalidades, cerca de 1 em cada 5 entrevistados diz não saber se o serviço é pago ou gratuito.

Outra conclusão da pesquisa é que os brasileiros com acesso à internet das classes ABC que possuem algum tipo de conta* têm, em média, 3,7 contas em banco. Os entrevistados da classe A chegam a ter, em média, 5,6 contas em instituições financeiras. Na classe C, a média é 3,4. Conta-corrente e poupança são as modalidades de conta mais comuns entre os entrevistados.

A pesquisa foi realizada entre os dias 14 e 17 de maio. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

* conta corrente, conta investimento, conta poupança, conta salário e conta pagamento